Guilherme da Silva Braga, porto-alegrense, 28 anos; tradutor profissional desde 2005 com outros sete anos de experiência (alguns destes em paralelo) como professor de inglês. Meu interesse por línguas se deve à literatura, que é o ramo tradutório que mais me interessa.

Este blog surgiu enquanto eu estava morando em Budapeste e estudando húngaro; o objetivo inicial de publicar traduções desta língua por aqui já foi atingido e agora o blog entrará (espero) em uma nova fase, na qual pretendo divulgar aqui as minhas palestras online sobre tradução literária e outras coisas interessantes.

Traduções de textos literários publicadas:

ANÔNIMO. Flossie, a Vênus de quinze anos. Hedra (SP). Outubro de 2008. [Flossie, a Venus of Fifteen] [Organização, tradução e introdução]

CAPOTE, Truman. Súplicas atendidas. L&PM (RS). Junho de 2009. [Answered Prayers]

CONRAD, Joseph. A linha de sombra. L&PM (RS). Agosto de 2010. [The Shadow-Line]

DOYLE, Arthur Conan. Os seis bustos de Napoleão [contos de Sherlock Holmes]. L&PM (RS). Março de 2005.

JAMES, Henry. A volta do parafuso. L&PM (RS). Fevereiro de 2008. [The Turn of the Screw]

JONES, Gerard. Homens do amanhã. Conrad (SP). Abril de 2006. [Men of Tomorrow]

KAFKA, Franz. Um artista da fome e Na colônia penal. L&PM (RS). Julho de 2009. [Erstes Leid; Eine Kleine Frau; Ein Hungerkünstler; Josephine, die Sängerin oder Das Volk der Mäuse; In der Strafkolonie]

KEROUAC, Jack. Visões de Cody. L&PM (RS). Maio de 2009. [Visions of Cody]

KEROUAC, Jack. Big Sur. L&PM (RS). Agosto de 2009. [Big Sur]

KEROUAC, Jack. Anjos da desolação. L&PM (RS) Agosto de 2010. [Desolation Angels]

KOSZTOLÁNYI, Dezső. “Feri” [tradução do húngaro]. Cadernos de literatura em tradução n.º 9. USP-FFLCH, Agosto de 2008. [Feri]

LODGE, David. A arte da ficção. L&PM (RS). Abril de 2009. [The Art of Fiction]

LODGE, David. Surdo mundo. L&PM (RS). Junho de 2010. [Deaf Sentence]

LOVECRAFT, Howard Phillips. O chamado de Cthulhu e outros contos. Hedra (SP). Junho de 2009. [Dagon; Cool Air; What the Moon Brings; The Music of Erigh Zann; Pickman’s Model; The Haunter of the Dark; The Call of Cthulhu; Letter to R. Michael; Notes on Writing Weird Fiction] [Organização, tradução e introdução]

LOVECRAFT, Howard Phillips. A sombra de Innsmouth. Hedra (SP). Julho de 2010. [The Shadow over Innsmouth] [Organização, tradução, introdução e apêndice]

NIN, Anaïs. Incesto. L&PM (RS). Agosto de 2008.

PFEIFER, Will; WOODS, Pete. O ataque das amazonas [minissérie em quadrinhos em três volumes mensais]. Mythos (SP). Julho-outubro de 2008. [Amazons Attack!]

POE, Edgar Allan. O gato preto e outros contos. Hedra (SP). Maio de 2008. [The Cask of Amontillado; The Black Cat; The Masque of the Red Death; The Oval Portrait; The Imp of the Perverse; Descent into the Maelström; The Fall of the House of Usher] [Organização, tradução e introdução]

RADICS, Viktoria. “Não matarás!” [excerto – tradução do húngaro]. Füredi Fordítói Füzetek VI. Junho de 2007. [Ne Ölj!]

SACHER-MASOCH, Leopold von.  “Matrena” [tradução do alemão]. Cadernos de literatura em tradução n.º 10. USP-FFLCH. Agosto de 2009. [Matrena]

SCHNITZLER, Arthur. “América” [tradução do alemão]. Cadernos de literatura em tradução n.º 10. USP-FFLCH. Agosto de 2009. [Amerika]

SCHNITZLER, Arthur. “América” [tradução do alemão]. Pequena morte n.º 13, setembro de 2008. [Amerika]

STRINDBERG, August. Senhorita Júlia e outras peças. Hedra (SP). Fevereiro de 2010. [Fadren; Fordringsägare; Fröken Julie] [Organização, tradução e introdução]

WOOD, Brian et al. Vikings. In: Vertigo. [minissérie mensal] Mythos (SP). Início em novembro de 2009. [Northlanders]

Obra própria sobre tradução e literatura:

BRAGA, Guilherme da Silva. O tratamento literário da terminologia náutica em uma nova tradução de The Shadow Line, de Joseph Conrad. 2009. Trabalho de conclusão de curso.

________. V de vanilóqio: uma verificação das variações vocabulares nas várias versões em vídeo de V de vingança. Palestra (2h30) ministrada na Universidade Federal do Rio Grande do Sul,19 de novembro  de 2009.

________. A prosa espontânea de Kerouac em português: o processo tradutório do romance experimental Visões de Cody. In: Anais da XIII Semana de Letras da UFRGS. Porto Alegre: Evangraf, 2009. CD-ROM. [Artigo]

________. A prosa espontânea de Kerouac em português: o processo tradutório do romance experimental Visões de Cody. Minicurso (4h) ministrado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 26 e 27 de agosto de 2008.

________. A prosa espontânea de Kerouac em português: o processo tradutório do romance experimental Visões de Cody. Minicurso (4h) ministrado na Universidade Estadual Paulista, 30 de setembro e 1 de outubro de 2008.

________. A tradição pornográfica e Bocage. In: Cadernos do IL nº. 31. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, dezembro de 2005. [Artigo]

________. Introdução. In: STRINDBERG, August. Senhorita Júlia e outras peças. Hedra (SP). Fevereiro de 2010.

________. Introdução. In: POE, Edgar Allan. O gato preto e outros contos. Hedra (SP). Maio de 2008.

________. Introdução. In: LOVECRAFT, Howard Phillips O chamado de Cthulhu e outros contos. Hedra (SP). Junho de 2009.

________. Introdução. In: ANÔNIMO. Flossie, a Vênus de quinze anos. Hedra (SP). Outubro de 2008.

________. Breve esboço sobre a vida literária dos monstros. In: SHELLEY, Mary; STEVENSON, R.L.; STOKER, Bram. Clássicos do horror. L&PM (RS). Agosto de 2010. [Apresentação]

Diversos:

Texto integral do livro O chamado de Cthulhu e outros contos (H.P. Lovecraft), publicado pela Hedra e disponível no Google Books.

Texto integral do livro Flossie, a Vênus de quinze anos (autor desconhecido; historicamente atribuído a A.C. Swinburne) publicado pela Hedra e disponível no Google Books.

Introdução que acompanha o livro Senhorita Júlia e outras peças (August Strindberg), publicado pela Hedra e disponível no Scribd.

Introdução e dois contos (“O barril de Amontillado” e “O gato preto”) do livro O gato preto e outros contos (Edgar Allan Poe), publicado pela Hedra e disponível no Scribd.

Artigo publicado no site da L&PM sobre a tradução de Surdo mundo, de David Lodge.

Artigo publicado no site da L&PM sobre a tradução de Anjos da desolação, de Jack Kerouac.

Entrevista concedida ao site da L&PM sobre a tradução de Visões de Cody, de Jack Kerouac.

Contato:

Email: guizomail[arroba]gmail[ponto]com

Twitter: GuilhermeSBraga

Entrevista concedida ao site da L&PM sobre a tradução de
Anúncios

11 Respostas to “Quem diabos sou eu”

  1. Marcello M. Marcelino said

    Guilherme,

    Parabéns pela iniciativa do blog! Há tempos me prometo criar o meu. Mas sou tímido.
    Lhe conheço da comunidade de tradutores do Orkut. Onde raramente apareço. Como falei, sou tímido. Mas leio os posts todos os dias, várias. vezes.
    Já lia e gostava de seus comentáros na comunidade. Parece que agora, esse blog vai ser minha parada frequente. Assim como outros, acredito.
    Interessante vc gostar de uma literatura e simplesmente ir aprender a língua, para ler no original. Mais uma vez, parabéns! Haja paixão, disposição e curiosidade.
    Agora, me dá licença que vou reler sua tradução.
    Abraço,
    Marcello M. Marcelino
    P.S- Aqui na Inglaterra faz um frio e é húmido como o cão. Pelo menos para mim. Como andam as coisas por aí: “Credo, um estranho me perguntando isso?”
    P.SII- Gostei do lay out do blog. Me pareceu minimalista e elegante. Talvez um seja sinônimo do outro.

  2. Gabe Bokor said

    Oi,

    Um amigo, Danilo Nogueira, me chamou a atenção ao seu site. Sou brasileiro naturalizado, nascido na Hungria e atualmente morando nos EUA. Aliás, aprendi o português em Porto Alegre onde cheguei em 1957.

    Se lhe interessa a literatura húngara, recomendo que leia Az Ember Tragédiája, de Imre Madách, traduzido para o português por Paulo Rónai, de saudosa memória, que cheguei a conhecer pessoalmente. A tradução dele deixa a desejar, e talvez você tenha mais êxito com essa obra extraordinária.

    Também lhe recomendo que visite o meu Translation Journal (http://translationjournal.net) (não que o compare com o Ember Tragédiája). Ficaria honrado se você pudesse mandar um artigo sobre sua experiência com o idioma húngaro para o TJ.

    Um abraço,

    Gabe Bokor

  3. Zsuzsanna said

    O mundo é pequeno e dá voltas. Também sou imigrante húngara, morando no Brasil desde os 8 anos de idade. Também sou professora e tradutora de inglês. Também estou estudando Paulo Rónai e analisando suas traduções húngaro > português e vice versa. Estou curiosa sobre seu progresso com o aprendizado do húngaro, conhecer suas dificuldades, etc. Este ponto faz parte de minha pesquisa para a tese de mestrado. Gostaria de receber seu e-mail para contato.
    Szia,
    Zsuzsanna

  4. Prezado Guilherme,

    Navegando pela Internet à procura de um site direcionado ao aprendizado da língua húngara, eparei-me com a sua página, razão deste e-mail, para parabenizá-lo pelo esforço, dedicação e êxito obtido nesta projeto de aprender a linguagem húngara.

    Tenho a intenção de aprender a língua pois descendo de avós paternos húngaros que saíram deste País no início do século XX, da localidade denominada Karawukowa na Hungria para o Brasil. Pretendo voltar às origens, inclusive pela cidadania, mas tenho encontrado uma enorme dificuldade quanto à língua húngara. Foi um prazer e grande satisfação saber que você conseguiu este feito.

    Atenciosamente,

    Lúcio Orlando Elbl

  5. Betina said

    Guilherme

    Soube da tua bolsa e prêmio pela Beatriz, que está super orgulhosa do teu trabalho, e muito contente por ti.
    Estou fazendo o curso dela este an na PUCRS. Sou médica psiquiatra, e adoro as terras da literatura (e, agora, da tradução literária. Estou atualmente traduzindo um livro italiano que, por coincidência, cita um autor húngaro, Sandór Marái. Li a tradução em inglês (Conversations in Bolzano). Se tiveres oportunidade, lê este livro em húngaro, a obra é sensacional!

    Bom, parabéns pela conquista!
    abraço,
    Betina

  6. Roberto Éber Marchi said

    Guilherme:
    Parabéns: o húngaro é difícil.
    Tive avós húngaros que vieram de Arad. A língua me é familiar, mas não a domino. Ensine-me o caminho das pedras para eu poder ler em húngaro !
    Obrigado
    Roberto

  7. Marcello M. Marcelino said

    Depois de quase um ano após o primeiro comentário… gone to my favourites.
    Congrats once again!

  8. Aline said

    Olá!

    Tenho muito interesse em aprender húngaro mas não encontro escolas ou professores particulares em Porto Alegre. Você sabe me informar onde posso encontrar informações sobre isso?
    Obrigada!

  9. Gidalte L. said

    Guilherme, gostaria de trocar idéias [ aprender ] sobre a sua experiência com a língua húngara. Sou estudante de tradução na UFPB e me encanto pela língua húngara além de ter interesse em fazer cursos por lá. Ficaria muito feliz de receber dicas suas.

  10. […] Ir aos comentários Há pouco tempo assisti a duas palestras online oferecidas pelo Guilherme Braga. Embora os temas fossem voltados para a tradução literária, que não é a minha área, achei que […]

  11. Olá, Guilherme.

    Primeiramente, parabéns pela iniciativa do blog e pelo fantástico currículo – embora seja novo!

    Sou Coordenador de Projetos da QVP Traduções (empresa situada em São B. do Campo – SP) e gostaria de saber se você já trabalha ou se está interessado em trabalhar como tradutor free-lancer do idioma húngaro. A princípio, estou com um projeto grande para tradução e pretendo encaixá-lo, caso haja interesse.

    Aguardo seu contato via e-mail.

    Abraços!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: